ManejeBem

Sistema Agroflorestal - Cacauicultura | Parte 2

<< Acesse a Parte 1


O que podemos plantar no início do SAF?


Plantas anuais


> No início do SAF, quando ainda não há sombra, podemos plantar de tudo, todas as culturas de ciclo curto, as anuais, como: milho, feijão, mandioca, quiabo, feijão de corda, melancia, pepino, maxixe, abóbora, repolho, jiló e outras que quiser;


> Essas culturas servem para consumo da família, dar aos vizinhos, alimentar animais de criação e para venda em feiras e mercados do município, no PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) e no PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar).



Dicas:


“As anuais podem ser colocadas para colocadas para amplia
nossa renda e também para ajudar no sustento da família”.
_____


“Depois do projeto muitos agricultores começaram a vender na feira de Piraí do Norte.
Muitas dessas áreas eram improdutivas. Hoje, muita gente está se alimentando da roça.
Dia de sábado, quem antes comprava esses produtos na feira,
hoje eles vendem na feira, para quem mora na cidade”.


 


Atenção: Com o plantio de anuais podemos ter a primeira renda do SAF com 60 ou 90 dias, com hortaliças, milho e feijão, por exemplo.



Plantas leguminosas


> No início do SAF também é importante plantar leguminosas para cobertura do solo, como andu, feijão de porco e pau de rato;


> O pau de rato é importante ter no SAF para servir de adubo, pode podar de 3 em 3 meses e botar no pé das plantas.


 


Dicas:


“A leguminosa é igualmente uréia, rica em nitrogênio.
O pau de rato chama minhoca, quando a gente corta e bota no pé de cacau”.
____


“O pau de rato pode ser usado como cerca viva,
estaca viva e alimento para os animais”.


 


Como fazer o Arranjo?


Dicas:


“Arranjo é a escolha do que vai plantar no SAF.
Porque no SAF a gente vai arranjar as plantas,
arrumar como vai combinar cada uma na área”.


> A primeira coisa é escolher a principal cultura, no caso da APA do Pratigi é o cacau. A partir daí escolher plantas que se dão bem com o cacau para que ele produza o ano inteiro, como o cupuaçu, a banana e o abacate que sombreiam e dão frutos para aumentar a renda;


> Se quiser plantar culturas exigentes em sol no SAF, como graviola, urucum, cravo ou guaraná, devemos colocar ao redor (borda);


> É importante plantarmos nativas também, que podem ser usadas se houver necessidade de madeira para consumo e para deixar para alimentar os animais;


> Na distribuição das mudas devemos pensar como uma vai sombrear a outra quando crescer, para evitar abafamento causado pelo excesso de sombra.


Dicas:


“Quando montar o arranjo, na hora de escolher as plantas que irão entrar no SAF,
devemos colocar várias plantas diferentes para ter renda o ano todo.
Sempre pensando em como vai ficar a sombra, para não abafar as plantas”.



Como devemos preparar os berços?


Dicas:


“Antes chamávamos de cova,
mais como agora sabemos que cova é para coisas mortas,
vamos chamar de berço para colocar as sementes e mudas que são vivas”.


 


> Para abrir os berços podemos usar o enxadão ou a máquina perfuradora de solo;


> Para plantar a seringueira o berço tem de ser de 40 x 40 x 60 cm. Para as outras plantas como o cacau, cupuaçu e nativas pode ser de 40 x 40 x 40 cm;


> Para adubar o berço podemos usar uma mistura traçada de esterco com adubo: 1 litro e meio de esterco de aves ou 2 litros de esterco bovino, 150 gramas de termofosfato (encontrado para vender com nomes de Yoorin, Cibrafértil, Fospar, Yara entre outras marcas) e 1 quilo de pó de rocha. Repetir a adubação após 60 dias do plantio.


Atenção: É importante ter orientação técnica para recomendar a correção da acidez do solo e adubação.


 


Como devemos fazer o plantio?


> melhor período para plantar na APA do Partigi é entre os meses de junho e julho;


> Se puder usar hidrogel (produto que absorve e retém grande quantidade de água, mantendo a planta úmida em períodos secos), podemos plantar qualquer época do ano;


> Não devemos plantar na lua minguante, porque as plantas não se desenvolvem bem;


> Sempre colocar cobertura morta para manter a umidade da terra. Quando cortar a bananeira colocar nos pés das plantas, utilizar também o material que resulta da limpeza da roça.


Dicas do agricultor:


“A cobertura morta mantém a terra molhada
e atrai as minhocas, que vão ajudar o solo”.


 


Como devemos fazer a adubação de cobertura?

>
Para adubar podemos usar uma mistura, traçando esterco com adubo: 700 gramas de esterco de aves, 30 gramas de termofosfato (Yoorin, Cibrafértil, Fospar, Yara, entre outras marcas) e 1 quilo de pó de rocha. Usar a mistura 2 vezes ao ano em cada planta (março e setembro);


> Devemos também usar biocalda:


— Uso no solo: misturar 1 litros de biocalda em cada litro de água;


— Uso nas folhas: Em plantas pequenas ou com folhas novas misturar 1 litro em 19 litros de água; Em plantas com folhas maduras misturar 2 litros em 18 litros de água;


— A aplicação pode ser feita com bomba costal ou motorizada, todo mês, dependendo da necessidade das plantas.


> A água da mandioca (manipueira) também serve para adubar. Podemos usar na quantidade de 1 litro de água + 1 litro de manipueira + 2 litros de biocalda e aplicar direto no solo.


Dicas do agricultor:


"O adubo orgânico, bem preparado,
é mais forte do que o químico e
com o tempo tem melhor efeito”.
____


“Eu achava que sem o químico eu não teria resultado.
Mas, tinha medo de não dar certo.
Eu resolvi aplicar a biocalda que eu mesmo fiz.
Aplicava todos os 30 dias.
O cacau saiu até na raiz!
Eu aplico na folha e na terra. Tá dando certo”.
____


“O adubo químico tem preço alto e a biocalda é barata,
mais tem que ter uma frequência de aplicação, para dar resultado”.



 


Ficha Técnica


Redação


Anacleto Ferreira da Silva


André da Silva


Antonio Carlos dos Santos


Arival dos Santos Mamédio


Erisvaldo Barbosa dos Santos


Francisca Antônia de Araújo


Jaime de Souza


Jaime Lourenço Silva


Jairo de Souza


Lourivaldo Grima dos Santos


Marivaldo Santos


Martinha da Conceição


Milton da Aleluia dos Santos


Sandro de Jesus Pereira


Valdete Ferreira do Nascimento


Waldemar de Oliveira Bahia


Edição


Ana Paula de Matos


José Eduardo Santos Mamédio


Erika Cotrim


Luciana de Oliveira Gaião


Organização


Esta cartilha foi organizada pela Organização de Conservação da Terra (OCT), a partir de uma oficina realizada com os Agricultores Multiplicadores de Agricultura Sustentável (AMAS).


Volney Fernandes – Diretor Executivo


Ana Paula de Matos – Líder da Pequena Empresa Conservação Produtiva


José Eduardo Santos Mamédio – Coordenador de Projeto


Luciana de Oliveira Gaião – Coordenadora de Campo


Thiago Guedes Viana – Coordenador de Projeto


Silvana Campos da Silva – Coordenadora da Organização Socioprodutiva


Amauri Souza Cruz – Coordenador de ATER


Poliana Oliveira Santos – Prestação de Contas


Camila de Jesus da Silva – Técnica em Agropecuária


Joeli Neres dos Santos – Técnico em Agropecuária


Erika Cotrim – Comunicação


Hércules Saar – Consultor


Salvador Dal Pozzo Trevizan – Colaborador


Bruna Sobral – Planejamento Socioambiental


 


 


 


 

* Clique na foto para ver a imagem ampliada

Cadastrar/Editar Manejo/Produto

* palavras chaves separadas por vírgula. máx. 5